O presidente iraniano aprovou a execução de 14 ativistas, entre eles o poeta Hashem Shaabani, em 27 de janeiro de 2014.



N
otícia no Poetry Foundation. O poema abaixo é uma tradução de uma tradução, com base no texto divulgado no Asharq Al-Awsat. Outra tradução do mesmo poema foi feita por Eduardo Sterzi para a Modo de Usar: aqui. É preciso que se leia também esta carta do poeta, traduzida por Rahim Hamid, e esta notícia sobre a mesma. Na foto, Shaabani, à esquerda, e Hadi Rashedi, à direita. Créditos.



SETE RAZÕES PORQUE DEVO MORRER.

Por sete dias gritaram pra mim:
Você declara guerra a Alá!
Sábado, pois é árabe.
Domingo pois, bem, você é de Ahvaz
Segunda, lembre-se: pois é iraniano
Terça: pois zombou da Revolução
Quarta: pois ergueu a voz pros outros
Quinta: pois é poeta e bardo
Sexta: pois está vivo. Não é o bastante?


T
riste que vivamos em tempos onde o discurso de ódio, a ofensa pura e simples e a incitação à violência são considerados como liberdade de expressão — e a poesia, esse discurso elementar, imprescindível, é condenado a ferro e fogo. Pena. Pena que, face a tamanha brutalidade, a própria poesia não dê a cara a tapa. Que se limite a se esconder, que busque, das formas de resistência que, é claro, são ínsitas à feitura poética, a mais branda, a mais acomodada. A mera veiculação sem questionamento. O sentimentalismo-varinha-de-condão. O passadismo, a condescendência, a cordialidade, a ocupação insuspeita.


Que a poesia mostre as garras. Que não se domestique sob a farra da liberdade tudo-podemos, o deslumbre de uma terra plana antes que gasta. O lembrete de uma poesia alienada.

Sim, poesia é liberdade, e que bom que hoje o panorama seja múltiplo. Mas apenas isto? Claro que não. Que a poesia emancipe. Que falemos em liberdade antes e depois. Que a liberdade, óbvio, seja uma constante. Mas uma constante até as tripas, até o tutano, do cume do morfema à raiz do problema. Que a poesia saiba quanto ganha por ano em dólares Pedro Velásquez, em Havana. E que não se limite a versificar esse ressaibo.

Comentários